Discursos defendendo a união para fortalecer os sindicatos marcaram a abertura do 35º CNSE

A necessidade de se unir e discutir novas estratégias para o sindicalismo patronal brasileiro. Esse foi o ponto principal defendido na noite de quarta-feira, 15, durante a abertura do 35º Congresso Nacional de Sindicatos Empresariais do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNSE). O evento, que teve como objetivo principal fortalecer e inspirar o sindicalismo empresarial em busca da auto sustentabilidade, este ano, trouxe a temática “O Novo Sindicalismo Empresarial e Atuação dos seus Braços Sociais”.
O presidente do Sindilojas Fortaleza, Cid Alves, deu as boas-vindas às delegações vindas de todo o País. “É uma alegria receber todos vocês aqui. O nosso esforço foi proporcionar o melhor Congresso. Espero que saiam daqui levando a história da nossa gente e a cultura do nosso Ceará no coração de vocês”, pontuou.
Cid Alves que aproveitou para convidar os participantes a assistirem as palestras e vivenciar toda a programação, que conta também contou painéis, talk shows e debates que promoveram a discussão sobre a necessidade de união e ação colaborativa para alcançar o mais alto nível de profissionalismo das entidades sindicais e as metodologias de gestão para o crescimento sustentável.
Novos Tempos
O presidente do Sindilojas de Recife e patrono do 35º CNSE, Frederico Penna, abriu seu discurso afirmando estar agradecido por participar de mais um congresso para debater o sindicalismo patronal. Ele, que já participou de vários encontros como esse, afirmou que o 35º CNSE teve uma importância maior. “Estamos passando por um momento difícil, de mudanças grandes que alcançaram todos os setores da economia do Brasil. São novos tempos”, salientou.
Tais mudanças, de acordo com Frederico Penna, exigem um esforço para reiventar um novo modelo de sustentabilidade para o sindicalismo patronal no País. Por isso, ele defendeu que o Congresso fosse uma oportunidade de debate, mas, principalmente, de união. “Temos que ser mais fortes e unidos para enfrentar o que vem pela frente. É necessário renovar para que sigamos em frente”, ponderou.
O presidente licenciado da Fecomércio Ceará e Vice-Presidente administrativo da CNC, Luiz Gastão Bittencourt, concordou. De acordo com ele, passamos por um novo ciclo no sindicalismo, por ser um momento de incertezas e de mudanças, como o corte da contribuição sindical. “É preciso repensar o papel do sindicalismo no Brasil e para que ele sobreviva é necessário dar as mãos”, ponderou.
Para Gastão, o 35º CNSE foi um espaço ideal de se debater novas propostas para que o sindicato patronal continue forte e punjante. “Somos uma entidade de coragem que buscar inovar a relação capital e trabalho, e é essa coragem que vai marcar o novo cilco do sindicalismo patronal no Brasil”, finalizou.
O presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), José Roberto Tadros, também ressaltou ser essa a hora de repensar o novo sindicalismo, focando principalmente na sua sustentabilidade. Ele lembrou que o comércio é responsável por quase 70% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional e contribui com cerca de 85% dos empregos no País, por isso, alega ser responsabilidade do 3º setor se manter de pé e oferecer aos consumidores os melhores produtos e serviços.
“É uma satisfação estar aqui, nesse grande Congresso da democracia”, falou, afirmando que, juntos, existe a certeza de concretizar ações e estratégias para fortalecer o sindicalismo patronal no Brasil. “Com essas cabeças pensantes e com homens e mulheres habilidosos, vamos encontrar as soluções”, defendeu.
O presidente da Fecomércio Ceará, Maurício Filizola, disse estar convicto que o fórum foi um compartilhamento, atualização, de muita reflexão e muito trabalho, mas principalmente, de muita união. “dizer o quanto somos e podemos sair daqui, ainda mais, fortalecidos, enquanto aliados responsáveis pela maior força produtiva desse nosso País”, disse.
Estiveram presentes ainda o secretário-chefe da Casa Civil do Governo do Ceará, Élcio Batista, representando o governador Cid Gomes, e o deputado estadual, Sérgio Aguiar, representando, a Assembleia Legislativa do Ceará.